Ainda é possível encontrar praias desertas perto de SP

Uma praia de areias vazias, sem a barulheira da multidão e esbarrões no mar em pleno verão. Se você, morador da capital paulista, pensa que esse sonho está muito distante, engana-se.

Folha separou cinco dicas de praias quase desertas pertinho do agito da capital, onde é possível chegar por meio de trilhas ou de barcos alugados. Separe a sacolinha para o piquenique e aproveite o verão sem estresse.

Veja galeria de fotos das praias de SP

CALHETAS, SÃO SEBASTIÃO

Ao passar pela praia de Toque Toque Pequeno, sentido centro de São Sebastião, quem olha do alto da SP-055, no km 145, tem uma grata surpresa.

Lá embaixo está o que parece ser uma pequena ilha, de areias branquinhas, cercada de pedras.

É a praia de Calhetas (que não é uma ilha), cuja entrada fica logo após o km 144. Automóveis de desconhecidos não entram, só os de donos das casas de um condomínio.

O melhor é deixar o carro em uma praia grande perto, como o centro ou Maresias, e tomar um táxi ou o ônibus coletivo.

Da portaria do condomínio, são cerca de dez minutos de caminhada em passos tranquilos.

A praia é calma, o mar é azulzinho e há uma cachoeira, com queda de 40 metros, que valem uma visita de dia inteiro.

Daniel Marenco-12.jan.2012/Folhapress
Praia de Calhetas, em São Sebastião, no Litoral Norte de São Paulo
Praia de Calhetas, em São Sebastião, no litoral norte de São Paulo; veja galeria

*

PRAIA DO AMOR, SÃO SEBASTIÃO

Ela não tem nome oficial, mas pescadores de Boiçucanga a apelidaram de praia do Amor.

A prainha fica logo após Camburizinho, para quem parte em direção à Boiçucanga pelo mar -ela só é acessível por meio de barcos.

No riozinho de Boiçucanga, é possível contratar pescadores, a cerca de R$ 20 por pessoa (ida e volta) para chegar lá.

A praia é uma pequena faixa de areia, diante de um costão de rochas. Parece uma praia particular. Por isso, é garantia de sossego absoluto (daí vem o apelido).

As pedras dentro da água, em alguns trechos, formam um contraste bastante bonito com o mar de tom esverdeado. As árvores do rochedo ajudam a proteger o visitante do sol.

*

PRAIA DO SANGAVA, GUARUJÁ

Da tumultuada Ponta da Praia de Santos, os desavisados que olham em direção ao Guarujá nem imaginam que ali, tão pertinho, existe uma praia vazia, de água verde-esmeralda e natureza praticamente intocada.

No passeio de barco até lá é possível ver de perto garças, gaivotas e albatrozes que descansam sobre as pedras. Tartarugas e cavalos-marinhos também são encontrados.

Os barcos partem da Ponta da Praia de Santos ou da praia de Santa Cruz dos Navegantes, no Guarujá, a um custo de R$ 20 por pessoa (ida e volta).

É point de esportistas que andam de caiaque e é ideal para praticar pesca submarina e mergulho.

Ali pertinho, também fica a praia do Cheira Limão, com uma faixa bem pequena de areia e, um pouco mais distante, a do Saco do Major. As duas também são pouco conhecidas na região.

Daniel Marenco10.jan.2012/Folhapress
Vista da praia do Sangava, no Guarujá, no litoral sul de São Paulo
Vista da praia do Sangava, no Guarujá, no litoral sul de São Paulo; veja galeria

*

PACUÍBA, ILHABELA

Distante 15 quilômetros do centro, no norte de Ilhabela, fica escondida a pequena praia, de 50 metros de extensão.

Para chegar, é preciso pegar uma estradinha de terra, logo após Ponta das Canas, que qualquer tipo de automóvel atravessa com facilidade.

No caminho, ficam belas cachoeiras.

A chegada à Pacuíba é indicada por uma placa. A partir desse ponto, é preciso encarar uma pequena trilha, de fácil acesso. Só é preciso cuidado para não escorregar na parte com pedras.

A água do mar é quase transparente e propícia ao mergulho. Mas quando a maré está cheia, a faixa de areia some. Não esqueça de levar um repelente.

*

BRAVA DE BOIÇUCANGA, SÃO SEBASTIÃO

Ao lado da agitada praia de Boiçucanga, que tem trânsito e shopping, como São Paulo, uma prainha conhecida por surfistas e pescadores fica quase abandonada, quando o mar está calmo. É essa a melhor chance de visitá-la.

Os barcos podem ser contratados no riozinho de Boiçucanga e custam R$ 20, ida e volta.

Mas, por causa das ondas, eles não encostam muito perto da faixa de areia, então é preciso saber nadar bem.

Também é acessível por meio de uma trilha, que parte do pé da serra no fim de Boiçucanga, e leva cerca de uma hora.

O esforço recompensa. O mar tem tom azul-esverdeado e há cachoeiras incríveis na mata.

Daniel Marenco-12.jan.2012/Folhapress
Mulher caminha na praia Brava de Boiçucanga, em São Sebastião, no litoral norte de São Paulo
Mulher caminha na praia Brava de Boiçucanga, em São Sebastião, litoral norte de São Paulo; veja galeria
Anúncios

About Urge to Travel

Viajar é viver!!

Posted on Abril 11, 2012, in Pessoal and tagged , , , . Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Lotjina

----------- l'olandesina ----------------

Viaje com Pam Pam

USA, Navio e agora Londres! Entra nessa e viaje com Pam Pam!!!

Fabricio Zillig

Webstandards, Programação, Lógica e algumas coisas mais

Nossocorretor

REDE IMOBILIÁRIA - (91) 8213-6173 (91) 8739-5028

Hywel's Big Log

If not the biggest, definitely the worst

UKstudy Brasil Blog

Ajuda grátis para intercambio no exterior

ZHP

blog//portfolio • Henrique Pimentel

Cerveja com Ogros

www.cervejacomogros.com.br

Oficina da Crônica

O curso tem como proposta metodológica a produção de crônicas em todas as aulas a partir do estudo linguístico e histórico do gênero. Os alunos terão contato com os principais autores brasileiros desde o século XIX e estudarão os diversos estilos, além das técnicas específicas. Faremos análise de ritmo, sonoridade, uso de metáforas, clichês, construção de personagem, revisão de fair diver e outras características desse tipo de narrativa.

Ohm The Road

Documentário. Road Movie. India, Himalaya, Nepal.

ATELIER c157

- ART & PHOTOGRAPHY -

Lesfar Inmors, ORKUT!

Just another WordPress.com weblog

Fabricio dos Santos Weblog

Portifólio Online - Acadêmico / Profissional - Weblog

Sol da Meia Noite

Just another WordPress.com weblog

Bathoryland Music Store

Just another WordPress.com weblog

Vampireland

Just another WordPress.com weblog

English For Us - By Márcia Barbosa

Just another WordPress.com weblog

Blog da Bella

Just another WordPress.com weblog

%d bloggers like this: